Por que tanta pressa?

Das duas, uma: ou você está indo ou está vindo, já reparou? Você raramente para! Por que raios você não pode parar um pouco?

Sei que o dia-a-dia- o seu, o meu, o nosso – é atribulado, cheio de tarefas e na maioria das vezes temos que tomar decisões rápidas. Mal dá tempo de pensar. Sei disso. Mas se faz necessário uma pausa em algum momento para que você “recarregue” a bateria. Às vezes, basta uns poucos minutos de quietude.

Parar é fundamental para que você observe o que está acontecendo ao seu redor, para se dar conta do que vai no seu interior e, assim, ser capaz de tomar decisões mais conscientes.

Todos estamos em busca de uma sentimento de plenitude. É isso o que as pessoas buscam: sentir-se mais plenas. Cada um busca isso em um lugar diferente: uns buscam no casamento, outros tendo filhos, outros viajando solitários. Mas o que precisamos nos dar conta é que todos esses eventos são circunstâncias. Elas passam. Simples assim. E você? Você vai ou fica? Reflita um pouco. Não raro condicionamos nossa felicidade a eventos que aparecem e desaparecem. Sim, pode até durar, não é esse o ponto. Quero apenas dizer que o seu bem-estar independe de circunstâncias da sua vida simplesmente porque nenhuma delas é eterna, são transitórias. No momento em que soube disso percebi que toda aquela segurança que eu buscava nas circunstâncias da minha vida: estudo, trabalho, namoro, amigos era ilusória e que a única responsável pelo meu bem-estar era eu mesma.

As pessoas costumam dizer “Ah! Quando eu casar, aí sim serei realizada. Ou “Quando tirar férias e viajar vou conseguir relaxar.”  É inegável que isso pode acontecer, de fato, mas o problema é que isso é um buraco sem fim. Digo isso porque você sempre está condicionando seu bem-estar, sua felicidade a um evento futuro. Nunca está TOTALMENTE  bom, sempre há uma coisa fora do lugar, uma lacuna, por assim dizer.” Ah, tá bom, mas quando eu mudar de emprego, quando for promovida, quando conhecer “o cara” …(rs). Como eu disse, a lista de desejos não termina nunca. O negócio vai longe.

A grande sacada é você viver no agora, viver esse momento plenamente! É isso que você tem …então entregue-se. A vida sempre está no presente porque o passado e o futuro são só ideias, o que flui mesmo é sempre o aqui e agora. Se você olha pra trás e pensa isso já é uma ideia, e, diga-se de passagem- uma interpretação do que ocorreu la atrás  e, o mesmo acontece com o futuro,-  são apenas pensamentos, ideias. Ter em mente que a única coisa que você tem é o presente já finca seus pés no chão e isso, sim, tem um poder transformador incrível.

Mova-se para onde o vento está te levando. Parece difícil ou impraticável? Experimente!  Solte-se e veja se não é mais fácil ir nessa direção. Você também pode tentar ir contra ela, provar por todos os meios que você consegue aquilo a todo custo,  mas observe se não é mais penoso fazer isso.

Quer começar a academia, o regime ou qualquer outra coisa que possa te fazer bem, faça, mas se não o fizer, aceite isso e viva este momento. Não se culpe por não cumprir tudo o que você havia planejado, permita-se relaxar um pouco até no “não fazer nada”, afinal de contas é tão bom, não é?!

 

 

Anúncios

REcomeçando

Olá a todos!

Primeiramente devo dizer que é uma alegria criar um espaço que posso chamar de meu. Um lugar em que posso me expressar inteiramente e que posso me fazer ouvida.

Já parou pra pensar em como somos literalmente “bombardeados” de informações por todos os lados desde o momento em que saímos de casa?! Ruídos de todos os tipos e intensidades possíveis no trânsito, alarmes de carro, sirenes de ambulância, etc. É uma barulheira sem fim. Ufa! Só de falar nisso já me sinto exausta.

A proposta aqui é: Pare por um minuto! Pare agora mesmo, nesse instante ou em algum que você puder e RESpire fundo. Preste atenção à sua respiração. Simples, não?

Pois é, mas muitas vezes estamos envoltos a tantos problemas, questões, dúvidas que esquecemos que AGORA seria um momento propício para você RESpirar, REnovar, REciclar alguns padrões de comportamento que você já está farto ou, com o perdão da palavra, “de saco cheio” e que te levam a um lugar que você não quer mais estar. Dá um vontade repentina dar um grito beeem alto nessas horas, não dá?

Bom, vamos lá, explico onde quero chegar: sou advogada de formação, atualmente estudo para concursos públicos, mas de uns tempos pra cá iniciei uma busca intensa pelo autoconhecimento, incluindo leituras sobre o tema, encontros com mestres espirituais e por aí vai…Uma conclusão que cheguei após muitas leituras e experiências relacionados ao assunto é que a tão almeijada felicidade é algo que está ali a todo tempo, acessível a cada minuto de sua vida e você tem acesso a ela. Confesso que quando me dei conta disso senti um alívio em saber que talvez essa tal felicidade, essa paz interior estivesse mais próxima do que eu imaginava.

Muitas vezes estamos tão condicionados a nos comportarmos desta ou daquela maneira que quase vivemos “no automático”, sem nos darmos conta do que de fato estamos fazendo naquele instante. Por vezes, surgem algumas perguntas do tipo: “O que é que estou fazendo aqui mesmo?” ou “o que é que eu estava procurando mesmo”?

Por mais difícil que possa parecer, tente aceitar este momento presente exatamente como ele se apresenta a você. Tal como ele é. Com isso, não pretendo que você concorde com ele, mas que aceite que ele está acontecendo agora, sem “brigar” com ele. A partir daí faça o que tiver que fazer. Mas comece por aí. E a respiração é uma poderosa ferramenta para te trazer para este momento.

Investigue se você é quem cria o seu próprio bem-estar ou se fatores externos ou circunstâncias na sua suda vida é que fazem isso por você.

Se dê uma pausa para sair desse turbilhão de ruídos do seu dia-a-dia. Preste atenção à sua respiração por 1 ou 2 minutos e entre nesse espaço que só cabe você e mais ninguém. O seu espaço interior. Aquilo que já é seu e você se esquece todos os dias…aquilo que pode levar você para um lugar desconhecido. Entregue-se!

Talvez o caminho seja inverso: olhar “para dentro” em vez de sempre esperar por algum acontecimento extraordinário que te levará a este estado sublime chamado “felicidade”.